Um dos alertas do Outubro Rosa, iniciativa que ocorre em diferentes cidades pelo mundo, é que o câncer de mama é o tipo mais comum entre as mulheres. O Movimento Outubro Rosa foi criado nos Estados Unidos na década de 90 do século passado e se espalhou pelo mundo. A iniciativa chegou ao Brasil em 2002, com a iluminação em tom rosa do Mausoléu do Soldado Constitucionalista, em São Paulo.

Pesquisas apontam que quando o câncer de mama é identificado em estágio inicial as chances de cura são de aproximadamente 95%. Por isso o autoexame é fundamental. Além dele, ainda mais eficaz, a mamografia é o instrumento clínico para detectar de forma precoce o câncer, pois mostra lesões em fase inicial, ainda muito pequenas, medindo milímetros. O Instituto de Câncer (Inca) recomenda que o exame seja feito anualmente.

Segundo o Ministério da Saúde, anualmente surgem cerca de 50 mil casos de câncer de mama no país. Para estimular a detecção precoce do câncer de mama, o ministério lançou uma campanha de conscientização sobre o tema, como contribuição para as ações do Outubro Rosa. Segundo o Inca, o de mama é o segundo tipo de câncer mais frequente no mundo e o mais comum entre as mulheres, respondendo por 22% dos casos novos a cada ano.

Como sintomas, o Inca alerta que podem surgir alterações na pele que recobre o seio, como abaulamentos ou retrações, inclusive no mamilo, ou aspecto semelhante a casca de laranja. Secreção no mamilo também é um sinal de alerta. O sintoma do câncer palpável é o caroço no seio, que pode ser acompanhado ou não de dor. Podem também surgir nódulos perceptíveis na axila.

A prevenção é o melhor caminho!