Na manhã desta terça-feira, 23, a cidade de Porto Alegre recebeu mulheres de todo o Brasil e também algumas representantes da América Latina e da Europa, que vieram participar do evento Mulheres com Lula, marcado para iniciar às 9h, no teatro Dante Barone, na Assembleia Legislativa do Estado do RS. Por falta de energia elétrica, a atividade acabou realizada na Praça da Matriz, em frente a Assembleia, e contou com a presença de uma multidão de homens e mulheres.

Por volta das 10h, quando o evento teve início e ainda haviam algumas mulheres tentando acessar o teatro, logo na primeira atividade, uma apresentação musical, o espaço ficou às escuras. Sem saber de forma conclusa os motivos do apagão, após o término dessa primeira apresentação, o público foi conduzido para a Praça da Matriz para que fosse possível realizar a atividade, que acabou transformando-se em um grande ato, que reuniu verdadeira multidão de homens e mulheres, que gritavam a favor da democracia e por um julgamento justo ao ex-presidente Lula.

Entre as falas em cima do caminhão, Manuela D’Ávila, pré-candidata pelo PCdoB ao Planalto; Abgail Pereira, também pré-candidata pelo partido ao governo do Estado; Luciana Santos, presidenta nacional do PCdoB; Gleisi Hoffmann, presidenta nacional do PT; senadoras e deputadas federais e estaduais de ambos os partidos, ex-ministras dos governos Lula e Dilma, lideranças feministas, sindicalistas, estudantis, do movimento negro e demais movimentos sociais. A fala final foi da presidenta Dilma Rousseff.

Em seu discurso, Dilma volta a falar do golpe que destituiu da presidência do Brasil uma mulher dignamente eleita e sem crime de responsabilidade e denunciou que o objetivo de quem a tirou do governo era não só impor esse projeto de desmonte do país e dos direitos dos trabalhadores, mas, principalmente, destruir Lula. Nas palavras de Dilma: “O golpe continua”.

A presidenta ainda alertou para o fato de que aqueles que praticaram o golpe estão tentando tirar Lula das eleições, pois eles não têm uma liderança capaz de disputar democraticamente. “Pergunto a vocês: Qual é a liderança dos golpistas que sobrevive ao voto popular? Nenhuma”, ela mesma responde e é aplaudida.


As atividades em Porto Alegre seguem acontecendo. Para amanhã (24) está prevista vigília desde às 8h da manhã, no Anfiteatro Pôr-do-Sol, para acompanhar o julgamento de Lula.

Texto e fotos: Juliana Figueiró Ramiro | Assessoria de Comunicação Fecosul