O 15M em Ijuí, no Rio Grande do Sul, foi organizado pela União do Movimento Social e Sindical, pela OAB local e pela Associação dos Aposentados. As atividades começaram pela manhã, com um ato no anfiteatro da Praça da República, que reuniu as mais diversas categorias.

Após a chegada do grupo do Cpers-Sindicato, que estava em assembleia, uma caminhada foi realizada pelo centro da cidade. Portando cartazes e faixas, os manifestantes expressaram sua contrariedade com a reforma proposta pela PEC 287 e as falas exigiam dos deputados da bancada gaúcha, o voto contrário a proposta.

O ato seguiu por toda a tarde e foi encorpando-se durante o dia com a adesão de entidades e lideranças regionais. Prefeitos, ex-prefeitos e vereadores de toda a região estiveram presentes, das cidades de Ijuí, Joia e Nova Ramada. Muito significativa foi a presença do prefeito de Coronel Barros, Edson Arnt, que também preside a Associação dos Municípios do Planalto Médio do Rio Grande do Sul (AMUPLAN). “Podem contar conosco nesta luta. Estou aqui representando os 11 municípios da nossa região e sabemos do impacto negativo, econômico e social, que esta reforma trará as pequenas cidades do nosso interior e por isso somos contra essa reforma”, afirmou.

A atividade final aconteceu as 18 horas. Uma Assembleia Pública votou e aprovou por unanimidade um documento que será enviado ao Gabinete da Presidência da República, aos presidentes do Senado e da Câmara dos Deputados e aos deputados federais da bancada gaúcha. "A praça é pública e nós estamos aqui, pública e abertamente, ocupando a praça e expressando a nossa vontade", disse Valdir Graniel Kinn,do Simpro Noroeste, que coordenou a assembleia. Durante todo o dia foram coletadas assinaturas de cidadãos e cidadãs, entidades e autoridades, assinaturas que integrarão o documento. Cerca de 40 entidades e mais de 3000 pessoas subscreveram o texto.

"A Assembleia Pública reveste-se de muito sentido e significância pois nela expressamos diretamente a nossa vontade e a nossa contrariedade a essa reforma da previdência. A população de Ijuí e da região, ainda que muitos não puderam estar presentes aos atos, expressou também a sua contrariedade assinando o documento aprovado na assembleia. Esperamos agora que os nossos representantes na Câmara e no Senado, respeitem e ouçam aquilo que as suas bases eleitorais expressam e exigem: a reprovação da PEC 287", concluiu Rosane Simon, do SindiComerciários, uma das coordenadoras do 15M.


Fonte: Sindicomerciários de Ijuí