A jornalista gaúcha e dirigente do PCdoB Manuela D´Ávila tem sido alvo de agressões e ameaças inomináveis por parte de militantes bolsonaristas partidários do neofascismo. Movidos pela misoginia associada ao ódio anticomunista eles chegaram ao extremo de ameaçar violentar a filha de Manuela, Laura, uma criança de cinco anos.

As agressões contra Manuela e sua filha atingem todas as pessoas que primam pela democracia e o respeito aos direitos humanos. É uma agressão a todas as mulheres e à família brasileira. Os neofascistas destilam um ódio insano às mulheres, mirando em especial aquelas que mais se destacam.

Os covardes, conscientes de que estão cometendo um crime, se escondem em pseudônimos, acreditando que a internet é uma terra de ninguém. Mas eles podem e devem ser identificados e rigorosamente punidos, em conformidade com a lei.

As barbaridades neofascistas contra Manuela e sua família ensejaram, de outro lado, uma grande onda de repúdio aos neofascistas e solidariedade à dirigente do PCdoB, que disputou o segundo turno das eleições para prefeitura de Porto Alegre em 2020.

Inúmeros artistas, lideranças políticas e sociais, patriotas e democratas de Norte a Sul do país elaboraram e publicaram nas redes sociais mensagens de solidariedade a Manuela e repúdio aos seus covardes agressores.

É necessário ressaltar que esse gênero de ataques prospera sob o manto da impunidade e o incentivo de um presidente genocida, que mal o esconde o desejo de implantar uma ditadura sanguinária no país.

A Fecosul manifesta sua solidariedade a Manuela e enérgico repúdio às ameaças e agressões perpetradas por militantes extremistas da direita. As autoridades públicas têm o dever de apurar responsabilidades e punir de forma exemplar e na forma da lei os criminosos.