No final da manhã desta quarta-feira (12), centrais sindicais estiveram reunidas com o secretário de segurança e vice-governador do Estado, o delegado Ranolfo Vieira Júnior, também com o comandante geral da Brigada Militar, Coronel Ikeda e a chefe da Polícia Civil no RS, Nadine Anflor, para tratar sobre a condução da greve geral do dia 14, nesta sexta-feira.

O objetivo do encontro foi levar a preocupação das centrais de que seja garantido o direito de livre manifestação dos trabalhadores, bem como a adesão ao movimento, por parte dos órgãos de segurança do Estado.

Guiomar Vidor, presidente da CTB-RS, lembra da greve do ano passado, na qual a Brigada Militar, no entendimento do presidente, ultrapassou os limites do seu papel. “Em algumas garagens, a BM obrigou motoristas a entrarem nos coletivos urbanos e saírem para o trabalho contra a própria vontade, ignorando o direito do trabalhador”, destacou.
Na avaliação das centrais o encontro foi positivo. “O governo mostrou-se aberto a acolher o direito dos trabalhadores de livre manifestação e pudemos abrir um canal de diálogo, que deve ser a solução principal para a resolução dos possíveis conflitos no dia 14, evitando confrontos. O diálogo garantirá uma manifestação tranquila”, apontou o presidente da CTB.

Outro ponto é que a resolução do diálogo será reproduzida para outras cidades do Estado, buscando a tranquilidade e a garantia do direito.

A greve geral do dia 14 é contra a reforma da previdência, que retira direitos e prejudica os trabalhadores.