Nesta terça-feira, representantes das centrais sindicais estiveram reunidos, de forma online, com o presidente da FAMURS – FEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES DOS MUNICÍPIOS DO RS, Marcelo Hassen, o Maneco.

Na ocasião, entregaram manifesto em defesa da vida, no qual defendem, entre outras medidas, que o governo do Estado compre de forma direta a vacina para que os gaúchos sejam vacinados com maior agilidade.

O presidente da entidade fez um relato do posicionamento da entidade e se dispôs a manter canal de diálogo permanente com as Centrais Sindicais.
Disse, ainda, que os municípios estão pressionando os governadores a levarem adiante a questão da compra direta das vacinas pelos estados.



De acordo com Guiomar Vidor, presidente da CTB-RS, que participou da reunião: “As Centrais Sindicais entendem que o momento exige dos gestores públicos que se sobreponham aos interesses setoriais e adotem medidas de governança, que priorizem a parcela da população que mais necessita dos serviços públicos, principalmente, nas áreas de amplo alcance social como é o caso da saúde, da educação e transporte”.


Confira as propostas das Centrais:

1) Aquisição urgente de vacinas pelo município;
2) Instalação de postos públicos de testagem;
3) Ampliar a oferta de transporte coletivo cumprindo os protocolos rígidos e necessários, visando priorizar o deslocamento com segurança dos trabalhadores e trabalhadoras dos serviços essenciais;
4) Instalação de hospitais de campanha para serviços de atenção básica, desafogando o sistema e destinando a estrutura convencional para atendimento dos casos de COVID;
5) Que os Prefeitos e Prefeitas se agreguem na defesa do retorno do auxílio emergencial federal no valor de R$ 600,00 para socorrer as famílias mais vulneráveis;
6) Criação do auxílio municipal emergencial nos moldes em que foi instituído pela prefeitura de Belém-PA, podendo o valor correspondente ser distribuído na forma de cestas básicas;
7) Exigir do Governo Federal a implementação de políticas de geração de emprego e renda;
8) Defender publicamente a quebra temporária das patentes para viabilizar a universalização da produção de imunizantes;
9) Utilização da verba corresponde ao município no PNAE (Programa Nacional da Alimentação Escolar) para a compra e distribuição urgente de distribuição de alimentos à comunidade escolar mais vulnerável.

Assinam o manifesto: CTB, CUT, CGTB, INTERSINDICAL, NCST, FS, CSB, UGT, CSP/CONLUTAS, CENTRAL PÚBLICA, FÓRUM

Abaixo, confira a íntegra do manifesto: