Estamos atravessando um momento difícil em nosso país, com cerca de 14 milhões de trabalhadores desempregados e uma das crises econômicas mais longas e duras da história. Estamos acompanhando os passos dos deputados e senadores que votam a favor e contra às reformas da Previdência e Trabalhista. A nossa base, tanto da federação quanto da confederação e os nossos sindicatos filiados são contra essas “deformas”, porque entendemos que os trabalhadores do comércio e serviços em geral terão um grande prejuízo.

A proposta do Governo Temer quer a divisão das férias, rescisão por “acordo”, com pagamento menor de direitos aos trabalhadores, diminuição na multa rescisória de FGTS, trabalho por horas intermitentes, terceirização sem limites e em todos os níveis e para todas as empresas entre muitos outros prejuízos aos direitos dos trabalhadores. Retirando a legitima representatividade das entidades sindicais de defesa dos interesses e direitos conseguidos a custa de muita luta e sangue e suor derramados pelos trabalhadores.

Num momento como esse se faz necessário que as autoridades do nosso país reflitam melhor suas decisões, para que não agravem ainda mais a situação. Chegou o momento de cada trabalhador procurar seu deputado e seu senados e pressionar para que não vote contra os trabalhadores. A confederação, as federações e os sindicatos de base compareceram à Marcha Brasília, que ocorreu no dia 24 de maio. Continuaremos na batalha, na defesa da garantia dos direitos dos trabalhadores do comércio.

Os trabalhadores no comércio e serviços estão decepcionados com seus representantes políticos, porque tudo o que vem sendo aprovado no Congresso é contra o trabalhador. Estamos preocupados com a falta de esperança, mas não vamos esmorecer até uma vitória que beneficie os trabalhadores.

Valmir de Almeida Lima –  Diretor Jurídico da Confederação Nacional dos Trabalhadores no Comércio – CNTC